Loading
Ação para desenvolvimento de comunidades de agricultura familiar no município de Conselheiro Lafaiete-MG

O destaque que o Governo Federal, através do Ministério do Desenvolvimento Agrário, vem dando à agricultura familiar não encontra precedentes na história do Brasil. Está em elevação a preocupação com a oferta de crédito, com a qualidade e suficiência da assistência técnica, com a comercialização e agroindustrialização de produtos oriundos dos grupos familiares, com a geração de rendas e criação de postos de trabalho no campo. Todo o enfoque das políticas públicas visando à agricultura familiar orienta-se para um estilo de ações pautadas em metodologias participativas. Corrobora esta assertiva, a exigência de instituição dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável, com atribuições de participar da elaboração, aprovação, avaliação e fiscalização na execução dos Planos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável. Sustenta esta afirmação, a delegação aos referidos conselhos da responsabilidade pelo acompanhamento dos Serviços de Assistência Técnica à agricultura familiar em cada município. Comprova esta proposição, a prática hoje verificada na maioria dos municípios brasileiros, em que o próprio Poder Público Municipal tem procurado desempenhar muitas de suas ações através de parcerias com comunidades organizadas. Em que pese o favorecimento das condições atuais, contudo, temos observado um problema que certamente concorrerá para o alcance menos substantivo das políticas públicas implementadas. Trata-se dos padrões de relações estabelecidos nessas parcerias, muitas vezes consubstanciados em práticas paternalistas, resultando em condutas passivas e dependência por parte daqueles que deveriam se portar como atores e se constituir nos protagonistas de qualquer mudança empreendida. A nossa proposta de trabalho consiste em desenvolver ações coletivas que resultem na conscientização de todos os envolvidos, na organização e na mobilização comunitária, na autonomia e na capacitação dos grupos organizados para discutir e resolver seus próprios problemas, ainda que com a inestimável participação do Poder Público Municipal. Este projeto cumpre os preceitos estabelecidos para a política extensionista da universidade. Configura-se também em instrumento efetivo para a integração da Escola de Veterinária em seu meio social. A nossa atuação, fomentando interações com as comunidades rurais de agricultura familiar, poderá resultar bastante profícua em relação aos propósitos que motivam tanto a Escola de Veterinária da UFMG como a grande comunidade de Conselheiro Lafaiete. Sinaliza-se, nesse sentido, a possibilidade de estudo e compreensão das situações e questões de interesse desses grupos no interior do setor agrário; a contribuição daí resultante para iniciativas de ampliação da organização, para a formulação e encaminhamento de reivindicações, e avaliação de políticas públicas em curso; a capacitação dos setores excluídos para se articularem com o poder público e com outras organizações sociais. Por outro lado, salientam-se as oportunidades de intercâmbio com o campo, para professores e alunos, em termos de visitas, pesquisas e aulas práticas.

Coordenador: Matheus Anchieta Ramirez (DZOO)
 

Escola de Veterinária da UFMG
Av. Antônio Carlos 6627
Caixa Postal 567, campus Pampulha da UFMG
CEP: 31270-901. Belo Horizonte, MG
TELEFONE DA ESCOLA: +55 31 3409-2001
TELEFONE DO HOSPITAL VETERINÁRIO: +55 31 3409-2000 ou +55 31 3409-2276