Loading
Caso Clínico 003

Caso Clínico produzido pelos alunos de pós-graduação e professores do Setor de Clínica de Ruminantes

Autores: Moisés Freitas, Marina Guimarães Ferreira, Antônio Último de Carvalho, Elias Jorge Facury Filho

No dia 22 de novembro de 2011, um proprietário entrou em contato conosco solicitando visita técnica à sua propriedade, relatando uma alta mortalidade de bezerros de até trinta dias de idade, acarretando grandes prejuízos e uma inviabilidade econômica para a continuação da atividade.

Histórico:
Durante a anamnese foi relatada a mortalidade alta de bezerras entre a segunda e terceira semana de vida, com progressiva perda de apetite, apatia, prostração e morte. O curso da doença era variável, mas sempre acompanhada de diarreia líquida e bastante profusa. A fazenda produz aproximadamente 6.000 litros de leite/dia com 380 vacas em lactação, em um sistema semi-intensivo. Os bezerros nasciam em piquetes maternidade, onde era realizada cura de umbigo e permaneciam com as mães durante 48 horas, porém não havia controle do fornecimento de colostro. No segundo dia de vida os bezerros eram levados para o bezerreiro, onde permaneciam até completarem aproximadamente 70 dias de idade. Os animais eram criados em bezerreiro de sistema tropical, em casinhas individuais com piso de gramíneas e areia, presas por meio de uma coleira e corrente afixadas ao chão. A alimentação, entre o 2° e 60° dia de vida, consistia em quatro litros de leite oferecido uma vez por dia, oriundos de vacas em tratamento para mastite (leite de descarte), e completado quando necessário com leite oriundo de vacas sadias. Também era oferecido concentrado farelado, misturado na própria propriedade.

Ao examinar o bezerreiro foi observado um total de 20 bezerras entre duas e três semanas de vida, e destas 12 apresentavam sinais clínicos de diarreia. O protocolo de tratamento das diarreias neonatais na propriedade consistia na administração de antibiótico (enrofloxacina), anti inflamatório (flunixin meglumine) e probiótico (L. acidophillus: 3,33x106 UFC/g; B.bifidum: 3,33x106 UFC/g; E. faecium; 3,33x106 UFC/g) enquanto durasse o período de patência da enfermidade.

  

Exame clínico:
Todos os 12 animais com sinais clínicos de diarreia foram examinados, e destes 10 bezerras apresentavam como principais achados clínicos a condição física regular, desidratação entre 6 e 8% e apetite presente. Entretanto dois animais apresentavam condição física ruim, perda do apetite, desidratação grave (acima de 10%) com endoftalmia, turgor de pele diminuido, extremidades frias, apatia, prostração e decúbito.

   

Figuras 1 e 2: Bezerros 1 e 3 com sinais clínicos de desidratação grave (10-12%)

Exames complementares

Parasitológico de fezes:

 

Perfil Eletrolítico, hemogasometria e pH urinário:

O perfil eletrolítico hemogasometria e determinação do pH urinário foi realizada em quatro animais, sendo dois animais com condição física regular e dois animais com condição física ruim. Os resultados das hemogasometrias e do pH das amostras de urina dos quatro animais encontram-se na tabela abaixo:

Tabela 01: Valores das concentrações séricas eletrolíticas (Na+, K+, Cl-, HCO3-), gasométricas, pH, excesso de base (EB), janela aniônica (Anion Gap), hematócrito, hemoglobina, nitrogênio uréico sérico (BUN), glicose, lactato e pH e densidade urinária das bezerras enfermas atendidas na propriedade.

Com base na sua interpretação, quais são as alterações do equilíbrio ácido-base dos animais com diarreia neonatal e seu tratamento para os quadros clínicos?

1. Animais 1 e 3 apresentam uma acidose metabólica compensada, devido ao aumento da concentração sérica de potássio e do lactato, redução do pH sanguíneo; Tratamento – fluidoterapia oral associado ao uso de anti inflamatório.

2. Animais 2 e 4 apresentam uma acidose metabólica não compensada, pois há uma redução nas concentrações de íon HCO3-, TCO2 e do Excesso de Base; Tratamento – fluidoterapia intravenosa com reposição HCO3-.

3. Animais 2 e 4 apresentam uma acidose metabólica compensada, pois são observados os mecanismos de regulação do organismo em tentar manter o pH dentro da faixa de normalidade; Tratamento – fluidoterapia oral ou intravenosa associada ou não ao uso de anti inflamatório.

4. Animais 1 e 3 apresentam uma acidose metabólica não compensada; Tratamento – fluidoterapia intravenosa com reposição da volemia, elevar o excesso de base com soluções alcalinizantes e reposição gradativa de potássio associada ao uso de antinflamatórios

5. Animais 1, 2, 3 e 4 apresentam uma acidose metabólica não compensada, pois em todos os casos há uma redução do pH, HCO3-,TCO2 e excesso de base juntamente com elevação dos valores de anion gap; Tratamento – fluidoterapia oral ou intravenosa associada ou não ao uso de anti inflamatório. 

6. Animais 1, 2, 3 e 4 apresentam uma acidose metabólica compensada, pois é observado os mecanismos de regulação do pH pelo organismo como hipercalemia e redução do PaCO2; Tratamento – fluidoterapia oral ou intravenosa associada ou não ao uso de anti inflamatório.

As alternativas 1 e 2 estão corretas

As alternativas 1 e 3 estão corretas

As alternativas 2 e 4 estão corretas

As alternativas 3 e 4 estão corretas

Nenhuma alternativa está correta.

Somente a 5 está correta

Somente a 6 está correta



OUTROS CASOS

»Caso Clínico 006

»Caso Clínico 005

»Caso Clínico 004

»Caso Clínico 002

»Caso Clínico 001

Escola de Veterinária da UFMG
Av. Antônio Carlos 6627
Caixa Postal 567, campus Pampulha da UFMG
CEP: 31270-901. Belo Horizonte, MG
TELEFONE DA ESCOLA: +55 31 3409-2001
TELEFONE DO HOSPITAL VETERINÁRIO: +55 31 3409-2000 ou +55 31 3409-2276